3824711497647159 3824711497647159
 
Buscar
  • samanthabraga

Energia reativa excedente! Saiba o que é e como pode afetar as finanças do sua empresa.

Atualizado: Abr 7


Energia reativa é algo fácil de explicar – e também de entender o motivo de ser cobrada na conta de luz de sua empresa.

Basicamente, energia reativa é uma energia que não produz um trabalho em si, mas ajuda outros componentes a fazê-lo. A utilização dese tipo de energia pelo equipamento, apesar de necessária, deve ser a menor possível.

Para se ter uma ideia, em alguns casos, o valor cobrado pelo excedente pode chegar a R$ 1.000,00 mensais na conta de luz de sua empresa.

E como saber se o sua empresa está pagando pelo uso dessa energia?

O primeiro passo para saber se isso está acontecendo é dar uma boa olhada na conta de luz do sua empresa.

Em geral, o consumo vem especificado como “energia reativa excedente”, mas pode vir “camuflado” com siglas ou outras denominações. Depende de como cada concessionária discrimina o consumo na conta, mas pode estar expresso como kVArh (quilovoltampère-reativo-hora).

E além do pagamento na conta, há outro preço que a energia reativa cobra: sua presença leva a mais aquecimento da fiação, deixa a rede mais instável e gera perda de energia.


Causa

Hoje em dia, um equipamento que apresente alto fator de potência tem aproveitamento de, no mínimo, 92%. Isso quer dizer que seu desperdício para efetuar um trabalho é de no máximo 8%. E é esse o aproveitamento que as concessionárias de energia pedem aos consumidores. Dessa forma, a energia é utilizada de maneira ecologicamente correta, além de não sobrecarregar fios e instalações das concessionárias na sua rede elétrica.

Para as instalações com fator de potência abaixo de 0,92 ainda é cobrada taxa adicional para energia reativa excedente.


Como evitar

Muita coisa pode ser feita para que a sua não pague o excedente referente à energia reativa. E a primeira delas é procurar uma empresa especializada, que deve contar com um engenheiro elétrico capacitado.

O prestador de serviços deve fazer uma avaliação dos equipamentos que mais geram essa energia reativa, que são motores elétricos superdimensionados ou subutilizados, transformadores alimentando pequenas cargas por longo período de tempo, além dos reatores eletromagnéticos com baixo fator de potência de lâmpadas fluorescentes, vapor de mercúrio, etc.

A partir dessa análise e com os dados da conta de luz em mãos – que dirá o tamanho do prejuízo da sua empresa com energia reativa - é que se escolhe entre a instalação de um banco de capacitores ou pela substituição dos equipamentos por outros mais modernos, com fator de potência mais alto.


Estou sendo cobrado pela Energia Reativa Excedente. O que faço agora?


O fator de potência 0,92 implica numa proporcionalidade entre energia ativa e reativa. Se a energia reativa em determinado instante for superior à parcela proporcional à energia ativa naquele instante, será cobrado o excedente, cumulativamente, a cada intervalo de 1 hora.

A correção do fator de potência através da utilização de bancos de capacitores libera a capacidade para instalação de novos equipamentos, sem a necessidade de investimento num transformador ou substituição de condutores, além de eliminar esse valor cobrado na conta de energia. O bolso agradece e o Sistema Elétrico Nacional também!

Em geral, em três ou cinco meses, já é possível ter o retorno do investimento com a redução na conta de energia”, comenta Mário Lorenzetti, um dos coordenadores do Grupo Técnico de Capacitores Industriais da Abinee – Associação Brasileira da Indústria Eletroeletrônica.


Ainda tem dúvidas sobre como conseguir reduzir seus gastos com energia elétrica? Entre em contato com nossos consultores e iremos te ajudar!


3 visualizações0 comentário